Exército senegalês ameaça penetrar no território da Guiné-Bissau

0
556

Após o ataque em Boffa Bayottes na Casamansa, que vitimou 13 pessoas e feriu sete, a forças armadas senegalesas multiplicam as operações de “rastreio” em busca dos presumíveis autores do massacre.

Apesar de ainda não terem terminado as investigações e o Movimento das Forças Democráticas da Casamansa (MFDC) ter negado qualquer implicação no drama, a organização armada nacionalista, e especificamente a frente comandada por César Atoute Badiate, é já apontada como responsável pelos militares senegaleses.

Determinados em perseguir os presumíveis autores do massacre, os militares senegaleses concentram as suas operações nas aldeias na fronteira com a Guiné-Bissau, entre quais Kassolol que, segundo os mesmos, acolhe o Quartel-general das forças do MFDC de César Atoute Badiate.

Durante estas operações e ao abrigo de acordos assinados em 1995, os militares senegaleses podem penetrar no interior da Guiné-Bissau até uma distância de 10 quilómetros, lembrou o jornal senegalês Le Temps que consultou fontes militares.

Um “direito” que as forças armadas senegalesas estão dispostas a “beneficiar” no quadro da operação “Raio” contra supostas bases do MFDC em Santhaba Manjack, Kassalol e Djirack, na Casamansa, mas também no interior norte da Guiné-Bissau, onde os militares senegaleses acreditam que os “rebeldes” recolheram após a acção em Boffa Bayottes.

In e-Global

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here