Nuno Nabiam vai pedir a nulidade do processo de recenseamento eleitoral

0
141

Vários partidos políticos sem assento parlamentar e o Partido da Renovação Social (PRS) exigiram, este domingo, 21 de outubro, a correção do processo de recenseamento eleitoral em curso na Guiné-Bissau.

No final de uma marcha organizada para exigir a transparência no recenseamento eleitoral, o Presidente do PRS, Alberto Nbunhe Nambeia, explicou que o seu partido aliou à iniciativa de alguns partidos políticos sem assento parlamentar, porque “o primeiro-ministro e a ministra da Administração Territorial tomam decisões unilateralmente sobre o processo eleitoral”.

“Nós não estamos a exigir a nulidade do processo, mas queremos que se faça a correção. Não queremos que o recenseamento traga o problema depois. O PRS faz parte deste governo, mas os problemas de recenseamento não são discutidos no conselho de Ministros. O primeiro-ministro e a ministra da Administração Territorial decidem à margem da reunião com os membros de governo, sobre a data de recenseamento e consequente prolongamento do processo” acusou o líder do PRS.

Por sua vez, o presidente da Assembleia do Povo Unido – Partido Democrático da Guiné-Bissau (APU-PDGB), Nuno Gomes Nabiam, afirmou que o processo não é credível, por isso exige o respeito pelas leis eleitoral e do recenseamento.

Questionado se o seu partido vai pedir a nulidade do processo, Nuno Gomes Nabiam respondeu: “Claro que sim, porque esse processo não é credível. Os cartões não têm fiabilidade. Já constituímos os advogados e esses advogados estão a trabalhar para apresentar uma petição a nível do governo e a nível dos tribunais para exigir que se faça a correção no processo”, sublinhando que é possível um recenseamento transparente e credível desde que haja uma boa vontade por parte do governo.

Participaram na marcha, o Partido da Renovação Social e alguns Partidos políticos sem assento parlamentar, entre os quais se destacam MADEM-G15, APU-PDGB, UPG que exigem a correção do processo de recenseamento eleitoral em curso na Guiné-Bissau.

In e-Global

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here