ORDEM DE MÉDICOS, DE ENFERMEIROS E SINDICATOS DE SAÚDE CONDENAM ATOS QUE VIOLAM PRINCÍPIOS ÉTICO PROFISSIONAIS DE SAÚDE

0
131

As organizações sócias – profissionais do sector de saúde lamentam, esta quinta-feira dia 21 de agosto, a morte de uma criança de 3 meses, no Hospital Regional de Mansoa, por alegada falta de atendimento médico nos serviços de urgência daquele hospital.

Em comunicado, a Ordem de Médicos da Guiné-Bissau, Ordem dos Enfermeiros da Guiné-Bissau, Sindicato Nacional dos Quadros Superiores de Saúde, Sindicato Nacional dos Enfermeiros, Técnicos de Saúde e Afins, e o Sindicato dos Trabalhadores de Saúde solidarizam-se com a família enlutada pela perda irreparável, e condenam quaisquer atos que violem flagrantemente os princípios ético – profissionais que põem em causa a vida humana, assim como as atitudes que ponham em causa o prestigio dos profissionais de saúde.

Por isso, as organizações sócias – profissionais do sector de Saúde encorajam que, em caso de violação de preceitos ético – profissionais que os atores sejam traduzidos à justiça.

Por outro lado, as organizações impugnaram com veemência aquilo que chamam a precipitada nota à imprensa do Gabinete da Secretária de Estado da Gestão Hospitalar, Pauleta Camará, sem que o seu gabinete tenha feito, no mínimo possível, uma deslocação ao terreno para se inteirar da real situação, assim como ouvir os técnicos que estavam em serviço, de modo a respeitar o princípio de contraditório que assiste todos os cidadãos.

Para aquelas organizações, a atitude do Gabinete da Secretária de Estado da Gestão Hospitalar, Pauleta Camará, demonstra claramente a ausência de um espírito de liderança e desconhecimento dos princípios administrativos e qualidades exigidos a um dirigente numa instituição pública.

As organizações sócias – profissionais do sector de Saúde informam ainda que, uma missão da organização chefiada por Vasco Na Dum, deslocou-se no dia 19 de agosto a cidade de Mansoa, onde manteve encontros com os responsáveis regionais de saúde, direção do hospital, profissionais envolvidos diretamente no acidente profissional, testemunhas e familiares da vítima, para se inteirar das reais circunstâncias da morte de uma criança de 3 meses.

Lê-se ainda na nota que até hoje, os dois técnicos que estavam em serviço, no Hospital Regional de Mansoa, uma médica e uma enfermeira, encontram-se ainda detidas nas celas de Mansoa, desde passado dia 17 de agosto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here